Quinta, 09 Novembro 2017 02:21

Consciência Negra Destaque

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

Vem aí o dia 20 de novembro e espero que a imensa comunidade negra através dos grupos organizados, faça com que a histórica data não fique apenas nas comemorações e nos discursos políticos. Que seja encarado da mesma forma autêntica que o seu herói e mártir ZUMBÍ o fez, com coragem e determinação.
Mesmo porque, naquela época nada o era favorável. Ele não tinha a lei Afonso Arinos, para ser usada na sua defesa por algum ilusório advogado. Ele não tinha carro de som para amplificar a sua voz, encorajar e mobilizar os seus seguidores.

Ele não tinha imprensa para divulgar suas atividades. Não existia eleição e se existisse negro não era cidadão e assim não poderia votar. Zumbi não contava com políticos oportunistas para visitá-lo no Quilombo dos Palmares levando cestas básicas, promovendo feijoadas, sorrisos forçados e sair apertando a mão da negrada lhe prometendo falsos favores com "apoio público" ainda que falso.

Hoje tudo é mais fácil. O negro tem a imprensa, tem a lei, tem advogados, tem carro de som, mesmo ainda sofrendo com o racismo é visto com uma certa simpatia pois legou à sociedade coisas positivas como a sua cultura através dos blocos afros, suas iguarias, a capoeira, sua religião, suas festas que se tornaram populares e que agradam à todas as raças e classes.

Max Matos.

* Esse texto foi publicado no jornal A Tarde em novembro de 1985.

Ler 20 vezes Última modificação em Quinta, 09 Novembro 2017 02:57
Mais nesta categoria: « Trio cultural e imortal

1 Comentário

  • Link do comentário Milton Luiz de Souza Cerqueira Sábado, 11 Novembro 2017 22:06 postado por Milton Luiz de Souza Cerqueira

    Já li que Zumbi também escravizou, mas não me aprofundei em estudo que possa descobrir essa história. Seria verdade?

    Relatar

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.