Quarta, 20 Setembro 2017 11:10

Caruru não é mais o mesmo e ainda sofre intolerância religiosa

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

Criado pelos negros africanos no Brasil, o caruru era usado como comida de ritual do candomblé oferecido aos orixás, acompanhado de vatapá, efó, feijão preto, feijão fradinho, mugunzá, arroz doce, camarão, farofa de azeite, pedaços de acarajé, abará e de frango. Até hoje. Mas quando se trata de pagamento de promessas (o chamado caruru de preceito), acompanha ainda; pedaços de cana, a rapadura e a pipoca, regados ao aruá, ou aluá (há controvérsias sobre o verdadeiro nome) que é uma espécie de refresco feito com a casca da cana). E aí como abertura e "pedido de licença", se convida sete meninos que numa cumbuca grande, comem juntos e com as mãos.

Quando menino, não perdia um caruru e antes de comer tínhamos que controlar a ansiedade obedecendo um ritual, cantando uma música cuja letra dizia: "Vamos levantar o Cruzeiro de Jesus, no céu, no céu, no céu a Santa Cruz", e nesse ínterim enquanto levantávamos e abaixávamos a cumbuca seguidas vezes. Só depois é que começávamos a comer. Inicialmente com muita disciplina. Mas no decorrer, a ansiedade levava alguns a acelerarem e os outros o seguiam para não comerem menos.
Aí acabava sempre em agitação. Por isso era conhecido também como caruru da balbúrdia.. Era assim no meu tempo de criança.

1122 PastorMas hoje caiu muito, e uma das razões é que a maioria das pessoas humildes de bairros periféricos obedecem cegamente os fundamentos ensinados nas igrejas evangélicas que consideram o caruru, o acarajé e o abará como coisas ligadas ao satanás. kkkkkk

Na adolescência, continuei comendo caruru em qualquer lugar que me chamassem sem perguntar onde seria. Chegava ao ponto de, junto com a turma, pegarmos um ônibus pra ir ao local, e só me lembrava até ai, pois após deliciarmos a saborosa comida voltávamos pra casa e no outro dia eu nem sabia dizer qual o lugar, nem que bairro, nem nada.
Infelizmente o tempo se incumbiu de mudar toda essa cultura ficando apenas a saudade.

Max Matos, dizendo tudo.

Ler 81 vezes Última modificação em Quarta, 20 Setembro 2017 11:30

1 Comentário

  • Link do comentário Valmiro Mota Quarta, 20 Setembro 2017 19:57 postado por Valmiro Mota

    Meu sentimento é o mesmo, Max. Infelizmente as coisas boas e tradicionais da Bahia estão se extinguindo e não se vê uma providência para frear isso. Lamentável.

    Relatar

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.